Voltar

Jornal Nacional grava no CCFEx

 

Rio de Janeiro (RJ) - O número de medalhas conquistadas por atletas militares durante os Jogos Olímpicos Rio 2016 vem despertando a curiosidade de todos. Já são 80% do total de medalhas (12 das 16 conquistadas). Militares ou atletas? Como eles entraram para as Forças Armadas? Os atletas têm uma rotina militar? Dúvidas como estas são recorrentes nas rodas de conversa sobre os Jogos em todo o Brasil.

 

Na tarde da última quinta-feira, 18 de agosto, foi a vez da equipe de reportagem do Jornal Nacional, comandada pelo repórter Carlos de Lannoy, conhecer melhor o Programa Atletas de Alto Rendimento e visitar o Centro de Treinamento de Alta Performance do Time Brasil (CTAP Brasil), localizado no Centro de Capacitação Física do Exército (CCFEx).

 

O jornalista conversou com o General de Divisão Décio dos Santos Brasil, Chefe do CCFEx, sobre a importância do Programa para os resultados dos atletas militares nos Jogos. “Eles recebem todo o apoio necessário para treinar e ainda contam com hospedagem, atendimento médico e alimentação”, explicou o General. A curiosidade pelo treinamento e pela vida do atleta militar dentro do Exército também foi tema de perguntas respondidas pelo General Brasil. “Eles passam pelo treinamento militar para que possam entender a vida no quartel e fortalecer os valores cultivados por nossa Instituição”, revelou.

 

O repórter da Rede Globo entrevistou o 3º Sgt Henrique Martins, atleta do Programa e que fez parte da seleção brasileira de natação nos Jogos Rio 2016, conseguindo o 6º lugar no revezamento 4 x 100. O nadador falou sobre seu ingresso no Exército Brasileiro em 2010 e explicou de que forma o apoio da Força influencia em sua vida de atleta. “O Exército nos dá não só o apoio financeiro, mas também todo o suporte para treinar. A Escola de Educação Física do Exército possui profissionais altamente capacitados e que nos ajudam muito.” O atleta revelou que aprendeu a cultivar valores que, hoje, são imprescindíveis para sua vida. “Tanto para a vida de atleta quanto para a vida pessoal, aprendi que hierarquia e disciplina existem para um bem maior. Disciplina e esporte são indissociáveis”, sintetizou o Sargento.