Voltar

A eficiência da logistica no CDS Barra

 

Rio de Janeiro (RJ) – A participação do Exército Brasileiro nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 resulta de um planejamento preciso e de uma logística eficiente e ininterrupta. A operação só é iniciada quando todos os aspectos logísticos estão em condições de viabilizá-la.

 

Foi o resultado de nove meses de intensos estudos, que subsidiaram o planejamento da missão. Houve necessidade de levantamento de materiais, especificidades e quantitativos, efetivos, viaturas, contratação de serviços, como a instalacão dos 300 containers (alojamentos, escritórios, banheiros). Todo esse empreendimento apoiou e abrigou, aproximadamente, dois mil militares durante 80 dias de atividades.

 

Uma tropa dessa proporção necessitou do apoio de vários tipos de viaturas, como 8 ônibus para transporte de pessoal, 220 viaturas de transporte não especializado (56 motocicletas, 92 marruás e 64 caminhões de 5 toneladas), 11 ambulâncias, 6 cisternas para armazenamento de água, 7 cisternas para armazenamento de combustível, 2 geradores, 2 viaturas frigorificas, 5 caminhões baú, 3 guinchos, 1 cegonha, 9 cozinhas de campanha e 2 pranchas.

 

Segundo o Tenente-Coronel Haroldo Heitor de Carvalho, do CDS Barra, “a logística garante todo o suporte necessário ao transcurso da operação, abrangendo transporte, alimentação, saúde, evacuações, manutenção de veículos e armamentos e recursos financeiros para gestão e aquisição de suprimentos de diversas classes”. O militar enaltece a grande lição colhida ao final da missão, que foi confirmar a capacidade do Exército Brasileiro, por meio do trabalho executado pela 12ª Brigada de Infantaria Leve (Aeromóvel), de realizar o apoio logístico a uma Grande Unidade, composta por dois mil militares, em operações continuadas durante 80 dias ininterruptos.

 

Próxima do fim e com perspectiva de conclusão com pleno êxito, a missão encaminha-se para a etapa final, quando será realizada a reversão logística. Nessa fase, todo o efetivo de pessoal e material empregado retornará às organizações militares de origem, valendo-se, mais uma vez, dela: a Logística.