Voltar

Exército apoia o transporte de cavalos Olímpicos

 

Rio de Janeiro (RJ) - No hipismo não basta ser atleta. São necessários, também, milhões de euros por um bom cavalo. O tratamento de um animal de competição é surpreendente para quem não tem conhecimento do assunto.

 

Foi assim na noite de domingo, 7 de agosto, durante a chegada dos parceiros de amazonas e cavaleiros ao Rio de Janeiro, para as provas Olímpicas equestres. Militares e veterinários do Exército aguardavam o início dos procedimentos de recepção de 43 cavalos Olímpicos, que chegaram ao Aeroporto Internacional Tom Jobim.

 

 

O Exército foi convidado a reforçar o transporte desses animais, do Aeroporto até o Complexo Olímpico de Deodoro, local de competição dos esportes equestres durante os Jogos Rio 2016. Além disso, foi chamado para fazer o patrulhamento da Vila Militar utilizando os cavalos do 2º Regimento de Cavalaria de Guarda. A atividade, aparentemente simples, requer cuidados especiais e, por isso, um grande aparato foi montado no desembarque.

 

Somente após passarem pelo controle de passaportes e exame de saúde, os cavalos embarcaram na Bélgica, onde participaram de competições e treinamentos. Na viagem até o Brasil, eles foram acompanhados por tratadores e veterinários. O voo durou cerca de 10 horas, em avião de carga projetado especialmente para esse tipo de transporte.

 

Assim que desembarcaram em solo brasileiro, iniciou-se uma grande operação de inspeção, a fim de evitar o risco de introdução de doenças por meio desses animais. Militares do Exército acompanharam todos os detalhes, enquanto aguardavam o momento de entrar em ação.

 

 

A fiscalização, realizada pelos veterinários do Sistema de Vigilância Internacional do Ministério da Agricultura (Vigiagro), começou dentro do avião, onde verificaram as condições dos animais e, só depois, houve a liberação para o desembarque. Na rampa de transferência para o embarque nos cinco caminhões (quatro trazidos da Alemanha e um pertencente ao Exército Brasileiro), foi verificada a documentação e, mais uma vez, as condições dos equinos para liberação da Guia de Trânsito Animal (GTA), para cada veículo que transportou os cavalos até o palco das provas equestres.

 

Para embarcar e transportar os animais até o Complexo Olímpico de Deodoro, a equipe, comandada pelo Tenente-Coronel Mário Minoru Kuamoto, Comandante da Escola de Equitação do Exército, está há cerca de dez dias empenhada na missão. “Para nós da Escola de Equitação, esse é um momento em que temos que aprender um pouco mais sobre o transporte de cavalos. Na Escola, não lidamos com voos internacionais, mas temos contato com técnicas diferentes, que possibilitam transporte seguro, eficiente e rápido, procedimentos importantes na parte esportiva e no emprego operacional”, explicou o Comandante.

 

 

O Cabo Leal, um dos motoristas da missão, estava empolgado com os detalhes da operação. “Estou vivendo um momento único, pois, além de aprender sobre todos os procedimentos de inspeção do transporte desses cavalos, sinto-me participando dos Jogos”, comemorou. Já o Cabo Wesley, também motorista, aguardava ansioso o reencontro com a família. “Quero chegar a minha casa e contar aos meus filhos tudo isso que estou vivendo. Vou falar que o pai deles teve a responsabilidade de transportar cavalos valiosos e, quem sabe, campeões dos Jogos Rio 2016”.

 

Para Paulo Campani, Chefe do Vigiagro do Aeroporto Internacional do Galeão, o reforço do Exército transmite confiança para a operação. “É muito importante esse apoio, pois o Exército tem muito conhecimento nos processos de equitação”, explicou.

 

Os 43 cavalos são de diversas delegações, como Suíça, Bélgica, Holanda, Canadá, Ucrânica e Estados Unidos, além de cinco cavalos da seleção brasileira. Eles foram os últimos a chegar, fechando um total de 238 animais importados para as provas de hipismo dos Jogos.

 

Eles começam a retornar para os países de origem daqui a seis dias. Mas esse trabalho não para por aí. A partir do dia 3 de setembro, outros 78 animais iniciarão o desembarque no Brasil, para o início dos Jogos Paralímpicos.